sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Porrada, os caras não sabem de nada!




Meus caros, a má vontade da mídia com relação a qualquer tipo de movimento social é notória e fática, o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra que o diga. Quando ocorre alguma ação de explosão espontânea do povão, como ocorrida em São Paulo nas últimas enchentes, nossos “comprometidos” jornalistas tratam logo de classificá-las de forma pejorativa como atos vandalismo e baderna.

Hoje no Brasil, presenciamos a falência total dos serviços públicos e concedidos. Grandes cidades como Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Recife, entre outras metrópoles demonstram isso. É o caos dos sistemas de saúde, segurança pública, trânsito, transportes, energia, abastecimento de água e saneamento.

Esse esgarçamento urbano é de alguma forma atenuado, certamente, por comprometimento da grande imprensa com o poder político. Cito como exemplo, aqui no Rio, as concessionárias Light (energia) e Supervia (trens urbanos). Essas empresas atualmente trabalham no pior grau de atendimento, que se possa ter ideia em relação a seus clientes. Certamente você está lendo este post, já deve ter assistido ou lido alguma coisa sobre a qualidade dos serviços prestados por estas empresas.

Mas vamos em específico discutir como é feita esse tipo de cobertura, quando ocorrem explosões de revolta dos usuários. Em outubro de 2009, passageiros da Supervia depredaram estações e trens nos ramais de Santa Cruz e Japeri. A enfase dada no noticiário foi remetida à ação orquestrada por milicianos, tese formulada pela Secretaria Estadual de Transportes do Estado Rio de Janeiro, que foi bestialmente encampada pela mídia. Na verdade, quando se lança esse factóide se tem por objetivo desviar o foco da principal razão do problema que é à inoperância do sistema.

Ainda no Rio de Janeiro, já começam a surgir protestos contra os serviços prestados pela concessionária de energia Light. A falta de luz é uma realidade constante em regiões de menor poder aquisitivo como Baixada Fluminense e Zona Norte do Rio, que invariavelmente merecem notinhas no noticiário. Mas quando acontece no Leblon, o buraco é mais embaixo. Ganha destaque na primeira página e entra no noticiário de rede nacional. Como disse o secretário de Segurança Pública, José Beltrame; um assalto ou apagão de luz repercute mais na Zona Sul do que no restante da cidade. Enquanto isso, em Brasília estudantes tomam cacetadas e porretadas da Polícia Militar, por protestarem contra a permanência do Governador Arruda no poder, depois do mesmo comprar “panetones” em excesso e enfiar propinas nas meias. E assim vamos sendo sacaneados e levando porrada...

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...